VIDA NA AMÉRICA

Já pensou em morar no Alasca?

Saiba o custo de vida dos moradores do Alasca e veja as principais cidades do estado

Com uma beleza impressionante de uma vida selvagem abundante e enormes geleiras da Era Glacial. Assim é o Alasca, o maior estado em extensão territorial dos Estados Unidos. Considerado também o estado menos povoado do país. No território do Alasca, 65% das terras são de propriedade do Governo Federal (compreendendo parques nacionais e florestas). Outros territórios são compartilhados entre o Governo Estadual e os povos nativos. E somente 1% do total é de terras particulares.

Junto com o Havaí são os dois estados que não fazem parte da área contínua dos Estados Unidos. Nessa matéria você vai conhecer um pouco mais sobre o estado e como é a vida dos moradores do Alasca.

O Alasca como território americano

Embora seja um dos 50 estados norte americano, o Alasca nem sempre foi território dos Estados Unidos. Até o ano de 1867 o estado pertencia ao Império Russo e graças à insistência do então Secretário de Estado dos EUA, William Henry Seward, o país comprou toda a área territorial do Alasca pelo valor de 7,2 milhões de dólares. Na época a decisão foi muito criticada por outros políticos e por uma grande parcela da população.

Todos achavam que a compra tinha sido um mau investimento e que o lugar era apenas uma região coberta de gelo sem nenhum propósito econômico. No entanto, no século seguinte começaram a surgir descobertas de grandes reservas de recursos naturais. Entre eles ouro, zinco, gás natural, carvão, pedras preciosas e prata. Foi no final dos anos 60 que a maior reserva de petróleo, do continente americano foi descoberta. E até hoje o petróleo segue como a maior fonte de economia do Alasca.

Foi então no dia 3 de janeiro de 1959 que o território do Alasca entrou na categoria de Estado, se tornando o 49º estado norte americano.

População do Alasca

Desde quando se tornou um estado americano, o Alasca sofreu dificuldades para ser povoado. O clima extremamente frio e as terras cobertas de neve e gelo dificultam em diversas áreas do estado a existência de fontes de renda como agricultura e pecuária. Entretanto, nas últimas décadas os habitantes da península passaram a ter um estilo de vida mais confortável. Através dos avanços tecnológicos, dos transportes e da comunicação.

Apesar do número de moradores ter crescido bastante com o passar dos anos, o Alasca permanece com a menor densidade demográfica dos Estados Unidos. Com uma população de 731. 545 habitantes para uma área territorial de 1.723.336 km², a distribuição da população acontece de maneira desigual. Na região norte a população é bem pequena, já que é onde as temperaturas permanecem mais baixas.

Nas regiões sul e sudeste há uma maior concentração da população. Nas regiões costeiras é onde vivem a grande maioria de seus habitantes, pois o clima não é tão rigoroso.

Os habitantes que vivem no Alasca estão envelhecendo e a maioria dos jovens nascidos no lugar prefere se mudar para outros estados mais agitados. A mão de obra no estado é escassa e o mercado de trabalho acaba oferecendo boas oportunidades, buscando suprir a necessidade e a falta de trabalhadores.

Como é a vida dos moradores do Alasca

Com o passar dos anos muita coisa mudou entre os nativos do Alasca. O costume de comer carne crua, por exemplo, ficou para trás. O trenó que antes era puxado por cães deu lugar às modernas motos de neve. A caça também passou a ser controlada nos dias atuais e os nativos podem caçar um número limitado de ursos e baleias por ano. No geral, a população do estado costuma ser uma das mais receptivas do país. Muito “calorosa” com os visitantes.

No entanto, o fato do Alasca ser um estado isolado do restante do país fez com que seus habitantes conseguissem manter algumas tradições e cultura vivas. É possível encontrar ainda alguns “inuits” e “yupiks” (dois principais povos conhecidos como esquimós) que nunca tiveram contato com a vida além do Ártico. Eles conseguem levar uma vida muito semelhante com a dos primeiros povos do Alasca.

Pagamento para os moradores

Todos os anos, o Governo dos Estados Unidos paga para cada morador do Alasca, um valor de US$2 mil. Esse dinheiro é resultado da extração do petróleo que acontece na região. Na década de 70, o Governo descobriu no território do estado uma enorme reserva de petróleo. O local passou a ser explorado, tornando o Alasca uma potência econômica que gera um PIB de aproximadamente US$40 bilhões por ano. O lucro é compartilhado com todo residente legal do estado.

Custo de vida no Alasca

O custo de vida no Alasca pode variar dependendo do estilo de vida e a região do estão escolhida. O fornecimento e a demanda em certas regiões é o que determina os valores do aluguel das residências. O valor de um apartamento de um quarto em Anchorage, por exemplo, custa em média US$1.173 por mês. Já na pequena cidade chamada Kenai, o valor médio é de US$837 para todos os apartamentos. Há áreas em que o aluguel custa US$500 e outras em que é praticamente impossível conseguir algo por menos de mil dólares por mês.

Os moradores do Alasca pagam uma das maiores contas de energia elétrica dos EUA. Principalmente durante a época de inverno, quando a temperatura é muito baixa. Em Anchorage, por exemplo, o custo mensal é de US$247, podendo ficar mais cara durante a temporada mais gelada. Na região de Fairbanks e zonas rurais as contas podem chegar a US$300 por mês, já que são áreas mais frias e utilizam mais energia elétrica para aquecer as residências e estabelecimentos.

Custo de alimentação no Alasca

Os gastos com alimentação em quase todo o Alasca são mais caros que a média. De modo geral, quanto mais próximo da zona rural e distante das grandes cidades você estiver, mais caros ficam os alimentos. Isso é devido ao transporte dos produtos para as áreas mais isoladas do estado, é mais caro, e esse custo é repassado para o consumidor final. Outra dificuldade é o clima frio do estado, que acaba atrapalhando a agricultura.

Na metrópole Anchorage a alimentação é menos cara do que em outras regiões. Porém ainda se encontra valores considerados altos como US$4,19 por um galão de leite e US$6,38 por um kilo de frango, por exemplo. Em Fairbanks, os preços em média são de US$3,88 para o leite e US$3,89 para o pão, por exemplo. Nos restaurantes, o valor de uma refeição pode ser de US$15 por pessoa em Anchorage e US$22 em Fairbanks.

Transporte no Alasca

O transporte também varia de acordo com a região do Alasca. O valor de um seguro automóvel costuma variar entre US$80 e US$130 por mês. Já a gasolina é mais cara do que qualquer outro lugar do país, variando de 64 a 94 centavos o litro. Como o transporte público é bastante limitado no estado, até mesmo em Anchorage. Ter um carro acaba se tornando uma necessidade para os moradores.

3 principais cidades do Alasca

1. Anchorage

Com quase 300 mil habitantes, Anchorage é a cidade mais populosa do Alasca. É considerada o centro financeiro, industrial e econômico do estado. Localizada em uma península da Enseada Cook no centro sul do Alasca, a cidade fica próxima com a fronteira com o Canadá. É cercada por enormes e belas montanhas e possui diversas atrações assim como toda metrópole norte americana.

Atrações

A cidade conta com muitas experiências ao ar livre, como o Pico Wolverine, ideal para caminhadas inesquecíveis. Fica a apenas 20 minutos do centro, e oferece uma vista panorâmica das três cadeias montanhosas da região, dos belos lagos com águas azul-safira e grandes vales arborizados. A Montanha Flatopp encanta a todos durante a temporada no outono, onde fica coberta de blueberries e durante o verão é possível observar os alces e outros animais selvagens.

Para quem gosta de atrações mais radicais, a dica é fazer escalada na Geleira Spencer e conhecer os icebergs. Ou atravessar a Geleira Knik de trenó, passear de caiaque até encontrar as Geleiras da Baía Blackstone. No Rio Eagle é possível fazer rafting em um bote inflável e se aventurar em suas correntezas.

Nos arredores de Anchorage ficam situados cindo dos 17 parques nacionais que existem no Alasca. Eles são: Denail, Katmai, Kenai Fjords, Lake Clark e Wrangell-Saint Elias. Vale a pena visitar cada um desses parques. Outro programa imperdível em Anchorage é observar as surpreendentes luzes da Aurora Boreal.

O Anchorage Museum fica localizado em um prédio moderno e fala sobre a história dos primeiros povos do Alasca.  A visita custa a partir de US$20 e você vai ter acesso a curiosidades e diversas informações sobre o estado e seu desenvolvimento. Há cerca de 1 hora de Anchorage fica o Alaska Wildlife Conservation Center. Você paga a partir de US$17 para conhecer um santuário de animais, como ursos, alces, falcões, bisões, veados, lobos e coiotes, entre outros. O local realiza um trabalho de reabilitação e inclusão muito interessante com os animais.

No verão

Durante os meses mais quentes, normalmente de maio a setembro, a média da temperatura é de 15ºC. Dessa forma fica mais fácil passear pelo centro de Anchorage, visitar suas lojas, cafés, restaurantes, shoppings e centros comerciais. Ou fazer um passeio de Trolley, que dura cerca de 1 hora, custa a partir de US$20 e é ótimo para conhecer a história da cidade. No verão as pessoas gostam de exploram os 320km de trilhas da região, de bike ou caminhando.

Lake Hook

Um dos lugares mais interessantes de Anchorage é o Lake Hook. O lugar se tornou uma espécie de estacionamento de monomotores coloridos. Com a dificuldade de se locomover por terra, principalmente no inverno, a grande maioria das famílias possui um avião de pequeno porte. Com apenas 17 anos os jovens já costuma estar habilitados como piloto profissional.

Dessa forma, mais de nove mil modelos desses aviões são encontrados na região. Boa parte é equipada para pousar na neve e na água. Inclusive, a maioria dos tours aéreos que vão para as geleiras, montanhas e lagos do Alasca partem do Lake Hook.

2. Juneau

Situada no sudoeste do Alasca, Juneau é a capital do estado. Com uma população de pouco mais de 32 mil habitantes a cidade fica na base do Mount Roberts, que tem 1.164 metros. Juneau é cercada por montanhas rochosas, isso acaba dificultando a criação de estradas. O que torna o acesso à cidade possível apenas por barco ou hidroavião. A capital do Alasca é de uma beleza fascinante, repleta de atrações e aventuras ao ar livre. É também um ótimo ponto de partida para quem deseja conhecer o melhor do Alasca.

Beleza Natural

Um dos principais motivos que faz os visitantes viajarem para Juneau é a abundante vida selvagem e a incrível beleza natural da cidade. Entre os meses de abril e setembro é possível observar lindos animais marinhos em seu habitat natural. As baleias jubarte que migram para o local nessa época se unem as orcas e encantam os olhos dos turistas que realizam os passeios de barco.

Quem pretende conhecer as geleiras de Juneau pode encarar as diversas trilhas do lugar. É possível ver de perto a Mendenhall Glacier e a Nugget Falls, consideradas as atrações mais populares da cidade. Na Nugget Falls há uma grande praia em frente às cataratas e a enorme geleira ao fundo. O melhor da Geleira Mendenhall é que devido a constante mudança de gelo, em cada visita se tem uma visão diferente.

Próximo a Geleira há o Centro de Visitantes, onde há um teatro que exibe um filme de 15 minutos sobre a Mendenhall, uma livraria, além de contar com informações sobre a vida selvagem, história e as mudanças glaciais geológicas do lugar. No Tracy Arm Fjord existem mais geleiras, além de icebergs, outras cachoeiras e gigantescos paredões rochosos. Para explorar as belas paisagens geladas o ideal é passear de helicóptero ou de pequenas aeronaves.

Atrações

Para os amantes de história, duas grandes atrações imperdíveis são o Alaska State Museum e o Juneau Douglas Museum. Os lugares mostram tudo sobre a história da cidade, a cultura nativa Tlingit e a trajetória do Alasca até se tornar oficialmente um estado norte americano. Vale a pena também caminhar pela floresta e visitar o jardim botânico Glacier Gardens Rainforest Adventure. Lá existem os famosos enfeites de flores chamados Flower Towers, feitos com árvores de cabeça para baixo.

No centro da cidade os visitantes exploram as diversas lojas para comprar joias e obras de arte únicas que são criadas por artistas nativos do Alasca. Vale a pena também fazer uma excursão gratuita pelo capitólio do estado e conhecer o Palácio do Governo. Além de visitar o Perseverance Theatre e assistir um espetáculo no único teatro profissional do Alasca.

O bondinho leva os visitantes até o topo do Mount Roberts, para admirar lindas vistas panorâmicas de Juneau. Outra atividade bem comum é a prática de esqui e snowboard e fazer caminhadas pelos 210 km de trilhas da cidade. Onde é possível observar os animais selvagens típicos do estado, como ursos, águias, cabras-montesas, entre outros.

3. Fairbanks

Fairbanks é maior cidade do interior do Alasca e a segunda maior do estado. Com uma população de 31. 535 habitantes, a cidade é sede da University of Alaska Fairbanks, a mais antiga do estado. A cidade é chamada de “coração de ouro do Alasca” e é porta de entrada para quem deseja se aventurar no interior do estado. O local possui uma boa estrutura hoteleira, oferecendo desde opções mais baratas até as mais caras. A localização central da cidade facilita o acesso a atrações importantes do estado, como ao Denali a região do Círculo Polar Ártico. Que conta com diversas vilas ao redor de uma natureza intocada, onde existem renas, ursos polares e raposas do ártico ao longo do caminho.

Aurora Boreal

Uma dos motivos principais que fazem os turistas visitarem Fairbanks é a oportunidade de observar a Aurora Boreal. Embora a cidade seja um dos melhores lugares para isso, também é necessário ir durante a época certa, geralmente de agosto a março. É preciso também contar com a sorte, já que as famosas “luzes do norte” não ficam visíveis todas as noites. Além de ser preciso um céu limpo, com poucas nuvens.

Atrações

O Centro de Visitantes de Fairbanks é ótimo para os turistas conhecerem ricas informações sobre a cidade e sobre o Alasca. Fica localizado no centro e conta com diversas exibições interessantes. Além de vários monumentos que ficam próximos e merecem ser admirados. Também no centro da cidade fica o Ice Museum, um museu que possui lindas esculturas de gelo.

Outra atração é o Alyeska Trans-Alaska Pipeline View. Com cerca de 1.500 km o oleoduto transporta óleo de Prudhoe Bay até Valdez. No trecho que passa as margens da estrada que liga Fairbanks a Fox, ele pode ser visto, pois passa pela superfície e é muito interessante.

Próximo a Fairbanks há diversas minas de ouro abertas para visitação. Uma das principais é a Gold Dredge que oferece um passeio de trenzinho e permite que o visitante garimpe ouro no riacho. A mina é muito interessante e fica próxima ao Pipeline View.

North Pole

A aproximadamente 25 km de Fairbanks fica a cidade de North Pole. A cidadezinha é encantadora e merece ser visitada, principalmente se você estiver com crianças. Ela é toda voltada para o Natal e oferece a opção de mandar cartas para casa com o selo da casa do “Papai Noel”. Basta ir até o correio e enviar uma carta simples, pagando apenas 1 dólar.

Com um pouco mais de dois mil habitantes, a pequena cidade respira o espírito de Natal o ano todo. Passando pela Santa Claus Lane é possível admirar as luzes da rua decoradas com temas de doces. Na casa do “Papai Noel” tem diversas opções de presentes à venda. O local recebe milhares de visitantes de todo o mundo e vai render lindas fotos e lembranças.

Pioneer Park

Pioneer Park é um parque cidade situado em Fairbanks. O lugar conta sobre a história do Alasca através de vários museus e exibições. É uma espécie de mini cidade temática, com construções típicas do estado. Possui também lojas de presentes e restaurantes. Localizado ao longo do Rio Chena, é acessível a partir de Peger e Airport Roads. A entrada no Pioneer Park é gratuita, porém alguns museus e atrações cobram taxa de entrada.

VEJA TAMBÉM:

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo